SERPAIE

Ser pai é…

Entender que deixamos de ser o centro do nosso universo. Umbigo agora chama “coto” e ele não é teu.

Inverter algumas prioridades porque agora um ser humano indefeso está na tua mão e ele só vai dar certo se receber teus abraços quentinhos.

Também é virar um exímio contador de histórias, fazer vozes variadas, uma para cada personagem, enquanto os olhinhos do teu fã número um brilham tanto que iluminam mais que a lua cheia.

É virar super-herói mesmo tendo todos os defeitos do mundo.

É, principalmente, tentar resolver todos esses defeitos para merecer o título de super-herói.

Ser pai é descobrir um amor indescritível. E, no dia seguinte, amar ainda mais.

É pagar um monte de boletos e valer a pena.

É doer mais em ti do que nele.

É encontrar teu papel na vida. O principal deles. Aquele que vai te aproximar da pureza dos verdadeiros sentimentos. É o que vai encher teus olhos de lágrimas nas apresentações da escola e estufar teu peito de orgulho quando virar “o pai do…”.

É se reconectar com a essência da natureza, escancarada na tua cara através do milagre do nascimento.

É passar a ter medo de morrer. E de fazer falta para alguém. É ser impotente quando mais queremos ser infalíveis.

É ser inteiro diante do sorriso do teu filho.

É admitir tuas falhas e imperfeições. E saber que está tudo bem porque tu estás fazendo teu melhor a cada dia. Se hoje não deu, amanhã vai dar.

É entender e perdoar teu pai. Porque tu entendeu que ele fez o que podia. O que era possível.

Porque ser pai, agora, é escrever a tua história. Do teu jeito, com a tinta do teu coração.

Ser pai, finalmente, é olhar para frente, ver teu filho carregando teu neto no colo e saber que tu te entregou verdadeira e generosamente ao maior papel da tua vida.

2 comentários em “Ser pai é…

  1. Verdade essa parte “É entender e perdoar teu pai. Porque tu entendeu que ele fez o que podia. O que era possível.”
    Só passei a entender o meu pai, depois que eu virei pai!

Deixe uma resposta